welcomeuruguay.com

Sua viagem pelo Uruguai começa aqui.

Nombre Paseo

Passeios e Excursões:

A ilha mágica

Pablo Etchevers Pablo Etchevers

A ilha Martin Garcia é uma ilha mágica. Atualmente argentina, mas a apénas 3,5 quilómetros da beira uruguaia, a sua natureza e história fazem dela merecedora de uma visita.

Isla Martín García desde Carmelo

Durante um tempo a jurisdição da ilha era compartilhada pelos dois paises; um tratado entre ambos em 1973 asignou nacionalidade argentina. Mas são muitos os uruguaios que nos finais de semana do ano inteiro visitam em forma regular, pela sua história, pela sua natureza que abriga e por alguns detalhes que tem feito conhecida, por exemplo os paẽs doces que assam-se na velha padaria da ilha. Ao longo da história muito tem se falado da ilha Martin Garcia e da sua proximidade com Uruguai.

Mas ¿O qué é o que tem para ver em Martin Garcia? Um teatro-cinema, um antigo presídio, um pequeno museu, um velho farol, trilhas que ainda conservam à sua natureza virgem, a história política da região, além dos paẽs doces mais gostosos, são as respostas mais comuns cuando fizer a pregunta a alguem que já tem visitado.

Isla Martín García desde Carmelo


Bonita e solitária

A ilha Martin Garcia está estratégicamente localizada no Rio de la Plata sobre a desembocadura do arenoso rio Uruguai. Mesmo que pertence à República Argentina, encontra-se mais perto de Uruguai que do porto de Tigre, na Argentina, da que separam 35 quilómetros pela via fluvial.

Foi descoberta em fevereiro de 1516 por Juan Diaz de Solis, quem enquanto procurava um passo interoceânico topou com o doce Rio de la Plata. Solis, desconcertado por ver um mar tão grande cujas águas não eram salgadas senão doces, batizou, como era de se esperar “Mar doce” e foi durante essas explorações que a ilha foi descoberta. Nessa viagem exploratória que vinha de altamar, morre um dos tripulantes mais queridos. Na sua honra, a recém visitada ilha foi batizada “Martin Garcia”.

Isla Martín García desde Carmelo

A ilha é um desprendimento rochoso da dobra pré-câmbrica do maciço de Brasilia e tem 1800 milhões de anos. A sua origem é diferente do resto das ilhas do delta, que formam-se por acumulação de sedimentos provenientes dos rios Paraná e Uruguai.

Tem uma altura de 27 metros sobre o nível do mar e é suficientemente úmida como para albergar uma vegetação extraordinária: alí encontram-se florestas em galeria e a típica flora e fauna da região litorânea.


Como um farol olhando para o rio

A ilha sempre esteve no mesmo lugar, imutável. Mas, a diferença do presente é que se pode chegar a ela em embarcações privadas em questão de minutos, anos atrás chegar até alí não era questão de hóras senão de dias, e de vários dias.

Isla Martín García desde Carmelo

Na época colonial, o lugar era ideal para albergar aos presos mais perigosos das cidades de Montevidéu e da vizinha Buenos Aires. Ninguém podia fugir dela, já que alí o Rio de la Plata vira bravo, intolerante e larguísimo e o Uruguai desagua com tanta força que é impossível atravessar nadando. Tal vez por isso, o antigo presídio era no primeiro que pensavam cuando se nomeava a ilha naquele momento.

Os presos trabalhavam nas canteiras de granito (hoje alagadas por uma bonita lagoa cheia de plantas aquáticas) e vertiam a produção de paralelepípedos em grandes carros que, mediante um sistema de trilhos, chegavam até o cais da ilha, onde as pedras eram carregadas nos barcos.

Esses primeiros paralelepípedos deram origem às ruas do que hoje é chamado de zona histórica de Montevidéu, tanto das pequenas ruas do porto quanto dos velhos mercados da cidade.

Isla Martín García desde Carmelo

Martin Garcia foi testemunha de numerosos combates navais que davam-se na zona pelo domínio estratégico dessas águas. Viu fugir ao almirante Brown para Montevidéu para depois ver ele convidar às tropas espanholas a se afundar nos Bajos del Temor. Demorou aos tripulanres do acouraçado Graff Spee. Funcionou como lazareto e porto de quarentena com as epidemias de cólera e febre amarela que registraram-se em Montevidéu e Buenos Aires e viu caminhar pelas suas ruas ao poeta Ruben Dario, entre tantos outros fatos notáveis.

Para tudo isso, você se encontra próximo às cidades de Colonia del Sacramento, Carmelo ou Nueva Palmira, a visita vira uma obrigação única.

Isla Martín García desde Carmelo
Welcome Uruguay - Paseos em Carmelo
© 2007-2022 Proibida sua reprodução total ou parcial. Derechos de Autor 675244 Ley 11723

Localização

Características

Tipo de tour

Contemplativo

Dados úteis

A considerar

Tanto nas cidades de Colonia del Sacramento, Carmelo, Nueva Palmira e no porto de Tigre (Argentina) em forma regular existem serviços fluviais que trasladam a visitantes à ilha. Contudo, se quer fazer de forma individual, Martin Garcia possui um grande cais para amarrar embarcações esportivas, o que observa-se nos meses mais cálidos do verão. Deve levar passaporte atualizado ou o documento uruguaio de identidade.


Compartilhar no Twitter Siga Welcome Uruguay no Twitter
Compartilhar no facebook Welcome Uruguay no facebook: Gosta
Inscreva-se no nosso canal no YouTube Videos de Welcome Uruguay no YouTube
Siga-nos no Google+